Seguidores

NUMEROS DE PAGINAS VISITADAS.

Aqui nu meu fugão di lenha voçe navega ouvindo uma boa musica sertaneja

Seguidores do Google

domingo, 24 de julho de 2011

Tem porco na lata (e longe da geladeira)Gente!!! Essa Matéria é tudo de bom...Restaurante D. Vilma De Gonçalves Minas Gerais

     Essa matéria é de Guta Chaves

                                        
    

Sobre o Colunista

Guta Chaves - gutachaves@gutachaves.com.br - Guta Chaves é jornalista e escritora na área de gastronomia. É co-autora dos livros Larousse da Cozinha Brasileira e Gastronomia no Brasil e no Mundo, da editora SENAC



                              

Tem porco na lata (e longe da geladeira)

Clássico da culinária caipira, o pernil é cozido em fogo lento e depois conservado na própria banha: jeito antigo de cozinhar




     Foto: Luiz Henrique Mendes
No fogão a lenha, a carne cozinha em fogo baixo e lento até ficar bem macia


   Foto de Luiz Henrrique Mendes


A carne de porco "na lata" é conservada na própria banha e dura um tempão fora da geladeira

Você já experimentou a carne conservada na própria banha? No Brasil, ela é chamada de carne de lata e feita geralmente à base de porco. Mas na cozinha tradicional francesa esse método leva o nome de confit, sendo famoso o de pato. A receita francesa clássica, feita da coxa e sobre coxa do pato imersas em gordura, até hoje faz sucesso com os mais diversos acompanhamentos.
A palavra confit vem do verbo francês confire e quer dizer conservar. Desde tempos imemoriais, muito antes de essa preparação entrar para a alta cozinha, o método de confitar já era usado para a conservação de carnes na gordura ou de frutas no açúcar (confeitadas). Herdamos dos portugueses o hábito de fazer a carne de lata, principalmente com porco.
Nesse último final de semana fui até Gonçalves, no sul de Minas Gerais, que fica a 200 quilômetros de São Paulo, e matei as saudades dessa carne de sabor tão concentrado e especial. Minha mãe fazia porco na lata quando morávamos numa fazenda, em Cambé, no Paraná. Meu pai matava o porco e, como não tinha geladeira, a carne ficava por meses na banha e não estragava de jeito nenhum. Dona Basília usava o mesmo método para conservar a carne de boi. Fazia com ela almôndegas e colocava-as na banha.
Voltando à minha passagem por Gonçalves: ali, um pouco afastado do centro, no bairro dos Venâncios, fica o sítio e restaurante da Dona Vilma. Ela faz uma cozinha caipira autêntica. Entre suas especialidades, está a carne de lata - seus clientes devoram 40 quilos de pernil de porco desossado por semana, totalizando 160 quilos por mês.

Lá a gente come na varanda, vendo as galinhas ciscarem no quintal. Chegamos um pouco antes do movimento do almoço e eu pude descobrir como ela preparava a carne. “Minha mãe aprendeu com a mãe dela e eu aprendi com a minha mãe”, diz Dona Vilma, gonçalvense de 63 anos, há dez anos com o restaurante.

O processo da carne de lata é demorado, leva mais de um dia. Primeiro, a banha de porco tem de ser frita em um tacho, reservando o torresmo. Depois, essa mesma banha vai para uma lata grande onde o pernil será cozido com ele mais um pouco de água. Tudo no fogão à lenha, por três horas em fogo baixo e até que a carne fique macia - a temperatura de cocção não pode ultrapassar os 90 graus, para que a carne não frite. Isso nada mais é do que um tipo de cozimento lento, à baixa temperatura, técnica tão usada hoje pela chamada vanguarda culinária.
Após essa etapa, o pernil é retirado da banha e dourado em alho e sal. A carne volta de novo para a lata e vai ao fogo brando para que a gordura penetre. Nesse momento, é importante que se cubra totalmente o pernil com a banha. “Se não fizer isso pode ficar um vão e aí a carne embolora”, diz Dona Vilma. Depois é deixar a carne esfriar, de um dia para o outro, cobrindo a lata com um pano. “Nesse momento não pode tampar, senão a tampa transpira e estraga a carne”, diz.
Ao esfriar, a banha talha e forma uma camada protetora, impedindo o contato com o ar. Assim, a carne pode ser guardada por meses sem precisar ir à geladeira. Depois, é só pegar os pedaços, esquentar e comer.


Foto: Luiz Henrique Mendes
Pernil de porco cozido e conservado na própria banha: é só aquecer e comer
As facilidades da vida moderna tornaram rara a carne de lata, que virou iguaria. De um lado, o porco na lata na lata está no cardápio do restaurante Dalva e Dito, de Alex Atala, cuja proposta é reunir referências do Brasil colonial em releituras mais contemporâneas. De outro, está Dona Vilma, ativa da culinária tradicional brasileira, tão rica quanto saborosa.
Quem disse que só a cozinha francesa tem confit?
SERVIÇO
Restaurante da Dona Vilma – Bairro dos Venâncios, Gonçalves, Minas Gerais, tel. (35) 9837-0896/ 9988-6874. Abre de sexta a domingo.

* A jornalista Guta Chaves viajou a convite da pousada Solar d’Araucária, em Gonçalves, Minas Gerais, tel. (35) 3654-1398, www.solardaraucaria.com.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito Obrigado por visitar minha pagina e pelo comentario,seja critíca ou elógio...será bem vindo!!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.